Polícia confirma que Aline Dantas foi abusada sexualmente e tentou se defender 

Aline foi encontrada morta, com o corpo queimado três dias após ter desaparecido quando saiu para comprar fraldas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Aline Dantas, de 19 anos, que foi achada morta em um matagal após desaparecer, foi vítima de estupro e tentou se defender do abuso, de acordo com os laudos. A vítima desapareceu quando saiu para comprar fraldas no início de setembro. Ela foi encontrada morta três dias depois, em um matagal, com o corpo queimado.

Heronildo Martins de Vasconcelos , de 45 anos, foi preso em casa, em Alumínio-SP, cidade onde o crime ocorreu. Ele nega o crime. Segundo a polícia, ele tem passagem por tentativa de estupro.

Laudos divulgados pela polícia nesta quarta-feira (3) apontam que Aline foi estuprada e tentou se defender da agressão sexual.

O delegado responsável pelo caso afirmou que o crime não foi premeditado. Ainda de acordo com o delegado, Herildo já trabalhou como porteiro e tem um casal de filhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



O suspeito teria furtado um litro de álcool em gel de um velório no mesmo dia em que Aline desapareceu, o que teria sido usado para queimar o corpo da vítima, segundo a polícia.

LEIA MAIS

Suspeito de estuprar e matar mãe que saiu para comprar fraldas é preso em SP

O caso

Está preso o suspeito de estuprar e matar a jovem mãe Aline Dantas, de 19 anos, que desapareceu no dia 8 de setembro, após sair de casa para comprar fraldas para seu bebê, em Alumínio, cidade do interior de São Paulo.

O porteiro desempregado Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45, que mora na mesma cidade, foi preso em casa, nesta quarta-feira, 2, pela equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, que investiga o crime. Vasconcelos nega as acusações, mas teve a prisão temporária decretada pela Justiça.

Conforme a polícia, ele não conhecia a vítima ou sua família e a escolheu por acaso. Os exames indicaram que a Aline foi estuprada antes de ser morta. Ela resistiu ao ataque e lutou com o agressor, conforme indicaram marcas nos braços.

Exames de DNA mostraram que resíduos de esperma encontrados na vítima eram compatíveis com material colhido do suspeito. Também deu positivo o exame feito com pedaços de pele colhidos sob as unhas de Aline. Vasconcelos já tinha passagem na polícia por tentativa de estupro, em 2012.

Aline saiu para comprar fraldas para a filha de 1 ano e 9 meses e não voltou para casa, na região do bairro Pedágio. Imagens de câmeras mostram a jovem caminhando em direção a uma farmácia, no interior do estabelecimento e voltando para casa.

Uma das gravações mostra um homem seguindo a jovem quando ela decidiu cortar caminho por uma trilha, em um trecho de mata. Segundo a polícia, esse homem seria Vasconcelos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Na manhã seguinte ao ataque, ele foi a um velório, furtou uma garrafa de álcool gel e voltou ao local do crime para incinerar o corpo, encontrado parcialmente queimado.

A família deu queixa do desaparecimento da jovem, e as buscas foram iniciadas no mesmo dia. Além da polícia, que usou cães farejadores, vizinhos e moradores se mobilizaram. O corpo foi encontrado três dias depois, em meio à mata.

A polícia ouviu 30 pessoas e analisou mais de 100 horas de imagens recolhidas em câmeras de vigilância e monitoramento. Também foram colhidas amostras para exames de DNA de quatro suspeitos, entre eles o homem preso.

Vasconcelos vai responder pelos crimes de estupro e homicídio qualificado. Até a manhã desta quinta-feira, 3, o suspeito não tinha constituído advogado para sua defesa e, por isso, a reportagem não conseguiu contato.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Fale com a gente