Mulher é brutalmente assassinada pelo companheiro em Minas Gerais

Vítima foi agredida com golpes de um banco de madeira e ainda levou facadas na região do crânio. Homem foi preso em flagrante e confessou o crime, segundo a Polícia Militar (PM)

Mais um feminicídio será investigado pela Polícia Civil de Minas Gerais. A vítima, Irene Aparecida Borges, de 52 anos, foi assassinada com golpes de pedaço de madeira e a facadas na noite de domingo (14/7) em Lavras, no Sul de Minas. O autor das agressões foi preso em flagrante e, segundo a Polícia Militar (PM), confessou a morte. Familiares relataram que o relacionamento do casal era conturbado, inclusive, com outras agressões por parte do homem. O corpo da mulher será enterrado nesta segunda-feira. 
O crime aconteceu por volta de 20h30 de domingo. De acordo com informações do boletim de ocorrência da PM, vizinhos acionaram a corporação depois de ouviram barulhos vindo da casa, localizada no Bairro Novo Horizonte. Quando os militares chegaram, o autor do crime estava na rua  alterado. Os policiais contaram que ele havia ingerido bebidas alcoólicas.
O corpo de Irene foi encontrado dentro da casa, caído no chão, e com vários ferimentos na região do rosto. Os militares acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e os socorridas constataram a morte dela. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade. Ele será enterrado ainda nesta segunda-feira.

Confissão

 

No boletim de ocorrência da PM, consta a versão do homem, que confessou o crime. Os militares alegaram que ele utilizou um tamborete de madeira para assassinar a companheira. A vítima foi agradida na cabeça. Além disso, segundo o documento oficial, a mulher ainda foi ferida com golpes de facas no pescoço e na cabeça.
O autor do crime foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Em seguida, foi levado para a delegacia. De acordo com a Polícia Civil, ele foi preso em flagrante por feminicídio. Depois, foi encaminhado para uma unidade do sistema prisional.

Brigas constantes

De acordo com a PM, uma filha da mulher alegou que a mãe tinha um relacionamento de 17 anos com o homem. Segunda ela, a vítima sofria agressões constantes do companheiro. Mesmo com o relato, nenhum registro de violência doméstica foi encontrado. A PM ressalta que mulheres vítimas de violência devem acionar o 190 ou 180 para fazer as denúncias, que pode ser feitas de forma anônima.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Fale com a gente