Jornalista Gilberto Dimenstein morre aos 63 anos

Jornalista Gilberto Dimenstein, fundador do site Catraca Livre

O escritor e jornalista Gilberto Dimenstein morreu nesta sexta-feira (29) aos 63 anos. Ele passava por tratamento para combater um câncer de pâncreas, descoberto em 2019. A morte foi confirmada pelo Catraca Livre, site que fundou em 2008.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Dimenstein foi correspondente internacional, colunista da Folha de São Paulo e da rádio CBN. Também trabalhou no Jornal do BrasilCorreio BrazilienseÚltima HoraVisão e Veja.

A página do Catraca Livre publicou uma homenagem ao jornalista. “A luta contra o câncer levou o fundador da Catraca Livre, mas sua determinação em construir uma comunidade mais igualitária, saudável e gentil, continua nesta página”.

No dia 16 de abril, em publicação no Catraca Livre, ele disse que abriu mão de 100% dos seus rendimentos para evitar demissão de funcionários. “Não é heroísmo. Consigo viver muito bem com minha aposentadoria. O que é difícil viver sem é da companhia de profissionais dedicados e competentes, alinhados com a visão do site de que nossa missão é fazer um mundo melhor”, escreveu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Dimenstein foi um dos criadores da ANDI – Comunicação e Direitos, uma organização não-governamental  voltada para a promoção dos direitos da infância e da juventude, da inclusão social e do desenvolvimento sustentável junto à imprensa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Paulistano e de origem judaica, foi filho de um pernambucano de origem polonesa e uma paraense. Autor de mais de 10 livros, publicou em 1994 “O Cidadão de Papel”, que ganhou os Prêmios Jabuti e Esso de melhor livro de não ficção daquele ano.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), lamentou a morte do jornalista no Twitter e disse que “o jornalismo e a sociedade perdem um olhar humanista e solidário”.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL) escreveu que Dimenstein “fará muita falta, principalmente num momento como esse, em que a democracia e a vida dos brasileiros estão sob grave ameaça”.

A jornalista Míriam Leitão disse que Dimenstein “revolucionou” a forma de fazer jornalismo e que a perda é “gigante” para a profissão.

Paulo Tavares

Paulo Tavares Jornalista redator responsável pelo portal DF em FOCO. Reg, 0010479/DF Meu compromisso é com a verdade. Doa a quem doer...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Advertisment ad adsense adlogger