Imagens fortes! Preso encontrado morto em cela em Luziânia teve asfixia, diz atestado

Detento foi encontrado sem vida no sábado e presos gravaram vídeo alegando negligência.

 O atestado de óbito do detento de 34 anos que morreu em uma cela da Casa de Prisão Provisória (CPP) de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal (DF), no último sábado (2), aponta que a morte foi causada por asfixia por obstrução de vias aéreas e broncoaspiração e que o preso sofria de uma inflamação chamada de peritonite e teve uma úlcera perfurada. Segundo a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), ele era paraplégico, cadeirante, possuía problemas renais e outras comorbidades e nenhum dos laudos apontou a relação do óbito com o novo coronavírus (Sars-Cov-2).

O caso se tornou público a partir de um vídeo gravado por outros presos dentro da cela em que a morte ocorreu. Um homem, com o rosto coberto por uma camiseta branca, mostra o corpo do colega de cela e diz que o caso teria ocorrido por negligência. A DGAP, contudo, nega a alegação e diz que o reeducando recebeu “vários atendimentos médicos” nos últimos dias. Ontem, o órgão afirmou, em nota, que o preso foi atendido pela última vez na sexta-feira (1º). O procedimento teria sido realizado dentro da própria unidade por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que não teria recomendado transferência ou internação. Medicado, o preso retornou à cela, segundo o texto.

A situação de saúde teria sido comunicada pela direção da CPP ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) na quarta-feira (30). Logo após o preso ter sido encontrado morto, a Polícia Científica teria sido acionada para a adoção de providências relacionadas ao corpo, explica a DGAP. “A direção da unidade também registrou a ocorrência policial para as investigações que o caso requer e abriu procedimentos internos para a apuração administrativa sobre o fato”, diz, em nota.

Diante da situação, a Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB Goiás) baixou uma portaria para que a apuração da causa da morte do detento seja acompanhada. Na manhã de hoje, órgãos como a DGAP e o MP-GO seriam oficiados para a obtenção de dados, conforme afirma o presidente da CDH, Roberto Serra. Caso seja necessário, continua ele, o presídio pode passar por nova inspeção.

 VEJA VÍDEO!

Covid-19

No sábado, a juíza plantonista da Comarca de Luziânia, Célia Regina Lara, decidiu que a DGAP deveria adotar medidas após a morte do preso a fim de identificar se o óbito foi causado pelo novo coronavírus e se há pessoas infectadas na CPP do município. Segundo a DGAP, as determinações foram cumpridas integralmente e de forma imediata após a notificação judicial como forma de precaução, mesmo que a Covid-19 não tenha sido apontada como causa no laudo de óbito.

O órgão afirma que encaminhou informações, via ofício, para o Poder Judiciário e ao MP-GO e que colocou em quarentena os presos que estavam na cela onde o fato ocorreu. Eles foram transferidos para a Unidade Prisional de Abadiânia, destinada a receber detentos com casos suspeitos da infecção. Para verificar a existência do vírus, a Coordenação de Controle Epidemiológico a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Luziânia realizou testes em quatro deles. Os resultados devem ficar prontos em três dias.

Além dos reeducandos, dois servidores que trabalham na CPP de Luziânia serão testados. Na manhã de ontem, amostras foram coletadas pela equipe da Saúde municipal, juntamente à direção da CPP e à Gerência de Assistência Biopsicossocial da DGAP. Até o momento, apenas essas pessoas devem ser examinadas especificamente para a doença.

Segundo a DGAP, a necessidade de testagem de todos os presos e servidores da unidade foi descartada após uma análise feita pela equipe da SMS. Isso porque, de acordo com o órgão, não há há indícios de que a morte esteja relacionada à Covid-19, assim como não há presos ou servidores com “sintomas de quadro viral”.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Advertisment ad adsense adlogger