Com isolamento social, gasolina chega ao preço mais baixo em 2 anos no DF

Segundo ANP, até dia 18 de abril, preço médio do combustível na capital era R$ 3,70. Valor é o menor desde agosto de 2017.

 

Diante da pandemia do novo coronavírus e a necessidade de isolamento social, o preço da gasolina no Distrito Federal chegou ao mais baixo em mais de 2 anos. Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), até o último domingo (18), o valor médio do litro do combustível era de R$ 3,705.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



 

É o menor preço registrado pelo levantamento da agência desde agosto de 2017. O valor representa ainda queda de 13,3% em relação às últimas quatro semanas. Segundo o estudo, a gasolina mais barata pode ser encontrada na capital a R$ 3,39.

  • Após queda nas vendas devido ao coronavírus, gasolina pode ser encontrada a R$ 3,69
  • O que acontece com o preço da gasolina no Brasil?

Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do DF (Sindicombustíveis-DF), Paulo Tavares, os preços mais baixos são uma forma que os comerciantes encontraram para recuperar clientes. Ele afirma que, após o isolamento social, as vendas caíram 60% (veja mais abaixo).

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



2ª maior queda do país

Um levantamento da empresa Vale Card também aponta na mesma direção da ANP. Segundo o relatório, referente à primeira quinzena de abril, o DF registrou queda de 12,75% no valor médio do combustível, em relação aos 30 dias anteriores.

De acordo com o estudo da empresa, é a segunda maior queda no país. O DF só está atrás do Paraná, que teve redução de 13,28% no mesmo período. O levantamento é feito por meio do registro de transações realizadas com o cartão de abastecimento da empresa.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Queda nas vendas

Posto de gasolina no DF, em imagem de arquivo — Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Posto de gasolina no DF, em imagem de arquivo — Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

De acordo com Paulo Tavares, no dia 1º de março, a gasolina era de R$ 4,59. Segundo ele, após as medidas de contenção ao vírus decretadas pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), o preço do combustível despencou.

“De lá pra cá só houve queda, não houve elevação de preço mais.”

O presidente do sindicato afirma que, na semana passada, houve uma “queda brusca” de 60% no volume de vendas nos postos de gasolina do DF. Segundo ele, o Plano Piloto sofreu perda de até 80%.

“Os revendedores precisaram baixar os seus preços ainda mais, no intuito, de buscar clientes, fazer caixa, pagar os seus compromissos e pagar os seus funcionários”, afirma.

Para Paulo Tavares, a redução nos valores não deve durar muito. Segundo ele, os empresários precisam recompor a margem de lucro após a crise.

“Não é possível manter os preços tão baixos por muito tempo, por isso que há uma oscilação muito grande. Vai depender de cada revendedor, do preço que cada um consegue manter durante esse período”, afirma.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Nova redução

Na segunda-feira (20), a Petrobras anunciou redução de 8% no preço da gasolina e 4% no preço do diesel nas refinarias. Segundo a estatal, o motivo é a queda persistente nos preços do petróleo e de seus derivados no mercado internacional, por impactos do novo coronavírus sobre a economia global.

Segundo a ANP, o valor médio da gasolina para o consumidor nos postos do país recuou 1,3% na semana passada, enquanto o diesel caiu 0,6%.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Advertisment ad adsense adlogger