“Estava louco de Rohypnol”, diz assassino de motorista de app

O suspeito foi encontrado pela polícia na tarde dessa segunda-feira, dentro do armário da casa onde mora, em Ceilândia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Preso na tarde dessa segunda-feira (10/02/2020), o rapaz de 21 anos confessou ter matado o motorista de aplicativo Túlio Russel César (foto em destaque), 27. Em depoimento aos investigadores da 23ª Delegacia de Polícia (P Sul), o suspeito, que não teve o nome divulgado, afirmou que “estava louco de Rohypnol”. O remédio é de uso controlado e aplicado em golpes, como o Boa noite, Cinderela.

Detalhou que durante o roubo “acabou atirando”. Disse que se arrepende e que “não queria ter cometido o homicídio”. Acrescentou que estava sozinho e “muito drogado”. O suspeito não soube detalhar o que ocorreu no momento do crime. Afirmou que não se lembra se a vítima reagiu, se ele pensou que o motorista ia se defender ou se foi um tiro acidental. O jovem apenas afirmou o tempo inteiro que estava “muito louco” e dispensou a arma em um matagal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“As investigações continuam no sentido de encontrar a arma usada no homicídio e apurar a participação de outras pessoas. Também aguardamos a conclusão dos laudos periciais”, explicou o delegado adjunto responsável pela investigação, Maurício Iacozzili.

O preso foi encontrado pela polícia na tarde dessa segunda-feira (10/02/2020) dentro do armário da casa onde mora, em Ceilândia. Ele usava tornozeleira eletrônica. Segundo os investigadores, o dispositivo registrou o trajeto feito pelo condutor antes de ser assassinado com um tiro na cabeça. O corpo da vítima foi localizado na manhã desse domingo (09/02/2020), na estrada Vicinal (VC-311), no Sol Nascente, na mesma região administrativa.

Após o latrocínio (roubo seguido de morte), o acusado rompeu a tornozeleira. Ele cumpria pena por roubo, furto e receptação. Na casa onde foi detido com outro comparsa, funcionava um desmanche de carros, além de ser usada para guardar produtos roubados em residências.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Com as duas prisões nessa segunda-feira (10/02/2020), já são quatro detidos pela PCDF. No entanto, apenas o rapaz de 21 anos vai ser autuado pelo latrocínio. Poucas horas após o crime, dois suspeitos haviam sido localizados com uma espingarda. A polícia ainda aguarda os exames de balística para confirmar se a arma foi usada no crime.

Segundo informações de Iacozzili, o caso é tratado como latrocínio. O celular, dinheiro e os cartões da vítima foram levados pelos bandidos. Os objetos ainda não foram localizados. As prisões ajudam a completar as estatísticas da delegacia. Neste ano, a 23ª DP elucidou 100% dos homicídios e latrocínios na região.

A mãe do motorista de aplicativo lamentou a morte do filho. Sheila Russel Kos, 48, afirmou que o sentimento é de “tristeza na alma”. O corpo do rapaz, que era formado em direito e havia passado no concurso da PMDF, vai ser enterrado na tarde desta terça-feira (11/02/2020), no Cemitério Campo da Esperança, em Taguatinga.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ataques em janeiro
Outro motorista de aplicativo, Samuel Veras dos Santos, 41, foi encontrado amarrado, bastante ferido, e dentro do porta-malas de um veículo no dia 30 de janeiro. A vítima estava perto da linha férrea, ao lado da Estrutural, e foi levada para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

O mesmo não ocorreu com Maurício Cuquejo Sodré, 29. Na manhã do dia 23 de janeiro, o corpo do motorista foi encontrado no Condomínio Núcleo Rural Boa Esperança ll, na região da Granja do Torto.

O cadáver estava de bruços dentro de uma poça de água. O veículo estava em outra vala. O lugar fica próximo ao Condomínio Boa Esperança. Havia também duas facas onde o homem foi achado.

Neste começo de ano, outro motorista de app foi assassinado. A vítima era Aldenys da Silva, também de 29 anos. No mesmo dia que Maurício foi encontrado morto, a Polícia Militar prendeu Natanael Pereira Barros, 19, no centro de Taguatinga, acusado pelo crime.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo levantamento da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), em dois anos, a capital teve 145 ocorrências de roubo com restrição de liberdade em que as vítimas trabalhavam como condutores de apps. O balanço expõe o crescimento da prática criminosa: o montante saltou de 38 registros em 2018 para 107 episódios no último ano.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Fale com o DF em FOCO
Advertisment ad adsense adlogger