Segurança de Rollemberg bate carro oficial e dá calote em motorista

0
70

Um capitão da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) lotado na Casa Militar que tinha como função garantir a segurança pessoal do governador, Rodrigo Rollemberg (PSB), e também da primeira-dama, Márcia Rollemberg, envolveu-se em um acidente de trânsito. João Felipe Holanda Noronha conduzia uma viatura descaracterizada – um Ford Focus branco – quando atingiu um Ford Ka preto.
Após a colisão, o oficial trocou telefones com a motorista e pediu que ela providenciasse três orçamentos para consertar o para-choque traseiro. No entanto, o valor nunca foi pago e a condutora acusa Noronha de calote.

O acidente ocorreu em 27 de abril, uma sexta-feira. No dia seguinte, a professora Juliana*, 24 anos, registrou ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul). Segundo o documento, a colisão ocorreu por volta das 15h30.

A condutora relatou que a pista de conexão entre as quadras 207 Sul e 107 Sul estava congestionada e o trânsito seguia lento. “Subindo para a 107, um veículo Ford Focus bateu na traseira do meu carro. A pista estava congestionada e, por isso, o trânsito estava fluindo bem devagar, com constantes paradas”, narrou.
Juliana ainda afirmou que a viatura – geralmente usada pela primeira-dama, Márcia Rollemberg – estava na tesourinha, esperando para entrar na pista, mas o oficial falava ao celular e não percebeu que o carro dela passava.
“Dei passagem, mas, por estar no celular, ele não visualizou que eu havia deixado ele entrar, então avancei e ele acelerou depois, atrás de mim. Acabou batendo no meu carro”, explicou a motorista.
“Assessor do governador”Ao descerem dos veículos para conversar, o militar identificou-se a Juliana como assessor do governador Rollemberg e pediu que a mulher anotasse seu número e enviasse três orçamentos.

“Ele também disse que não havia seguro e o carro era do GDF [Governo do Distrito Federal], não particular, e que ele, Felipe Noronha, era da assessoria do governador. Apesar disso, o veículo não tinha nenhuma identificação de ser do GDF”, disse Juliana.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA