SAMAMBAIA – Polícia não descarta que houve motivação sexual na morte de Ana Íris

0
293

Polícia não descarta que houve motivação sexual na morte de Ana Íris
Segundo a polícia, primo frequentava casa da garota e não há registros de que os dois tenham tido qualquer tipo de envolvimento amoroso

A Polícia Civil não descarta motivação sexual no caso do assassinato da menina Ana Íris Mendes dos Santos, 12 anos. Ela foi morta pelo primo, um adolescente de 16 anos. Segundo o delegado da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS), Leandro Ritt, “todo homicídio tem uma motivação e, nesse caso, acreditamos que foi sexual”.

O adolescente confessou que matou a garota no mesmo dia em que ela sumiu, 10/9, ao sair de casa, em Samambaia. Ele negou que tenha violentado a menina e disse ter sentido uma “vontade de matar”.

A polícia aguarda os resultados dos exames feitos no corpo de Ana Íris para confirmar se houve ou não violência sexual. Os laudos também podem indicar se o assassino agiu sozinho ou teve a ajuda de um comparsa.

LEIA MAIS SOBRE O CASO

Primo de Ana Íris confessa ter matado a menina em Samambaia

Primo de criança encontrada morta em Samambaia é agredido após ser acusado por moradores

Corpo de Ana Íris é encontrado no Morro do Macaco em Samambaia

Desaparecimento ainda é mistério para os moradores

 

De acordo com Rit, o rapaz frequentava a casa da família da garota e não há registros de que os dois tenham tido qualquer tipo de envolvimento amoroso. “Ela era uma criança. Brincava com bonecas. Tinha um comportamento infantil”, explicou o policial nesta quarta-feira (27/9), durante entrevista para dar detalhes do crime. O delegado não descarta, entretanto, que o jovem assassino tenha problemas mentais. “Isso tudo será averiguado.”

Ainda de acordo com o policial, o primo disse que enquanto estrangulava Ana Íris, a menina gritava para ele não matá-la. A distância do barraco onde o suspeito morava para o local do crime é de apenas 150 metros, segundo o delegado.

Internação
O menor está internado no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), porque havia desde terça a suspeita de que ele fosse o assassino. Por isso, chegou a ser agredido por vizinhos que o viram saindo do matagal onde o corpo da menina foi encontrado. A previsão é de que ele seja transferido ainda nesta quarta para o Hospital de Base do DF (HBDF).

A Delegacia da Criança e do Adolescente vai pedir a internação do infrator. Deve ficar 45 dias internado até a divulgação da sentença. Com 16 anos, ele ficará cumprindo medida socioeducativa no máximo até os 19 anos.

A família de Ana Íris ficou chocada ao saber que ela foi morta pelo primo adolescente. “Ele é um monstro. Não tem mais o que dizer”, desabafou Cleunice dos Santos, tia da menina. “É um absurdo a maldade do ser humano. Que triste saber tudo isso. Ela era uma criança muito amável e meiga e não merecia morrer desta forma”, completou Valdonira de Jesus, amiga da família.

Três pessoas foram detidas e levadas à delegacia após agredirem o primo de Ana, na tarde desta terça. À polícia, o trio alegou que viu o jovem saindo do matagal onde o corpo da criança foi encontrado. Por isso, desconfiaram que ele pudesse estar envolvido na morte da menina. Além de apanhar, o adolescente levou uma facada.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA