Motorista bêbado que atropelou e matou enfermeira dirigia com faróis apagados

1

Shutterstock

 

O motorista bêbado que atropelou e matou uma enfermeira de 31 anos nessa quarta-feira (15), em Ceilândia, dirigia com os faróis apagados, segundo investigações da 23ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Sul). De acordo com o apurado, o homem seguia em alta velocidade quando atingiu Any Leiros Sarmento da Silva em uma faixa de pedestres.

A enfermeira morreu no local. O acidente ocorreu na avenida P1 do Setor P Sul, próximo a quadra QNP 18, por volta das 5h. Segundo testemunhas, o condutor do veículo, identificado pelos socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) como Sérgio de Sousa, teria sido visto dirigindo acima da velocidade de 60 km/h permitido para o local pouco antes do atropelamento.

Segundo o boletim de ocorrência, a Polícia Militar informou que Sérgio de Sousa “apresentava visíveis sinais de embriaguez”, mas recusou-se a fazer o teste do bafômetro. O homem foi preso e autuado em flagrante pelo crime de embriaguez ao volante e atropelamento de pedestre.

Dados do Departamento de Trânsito (Detran) indicam que a avenida que vitimou Any foi palco de pelo menos 11 mortes nos últimos dez anos. Até outubro, um outro óbito havia sido registrado ali. Neste ano, 64 pedestres foram vítimas do trânsito no Distrito Federal.

Motorista embriagado atropela e mata mulher em Ceilândia

Dados do Departamento de Trânsito (Detran) indicam que a avenida que vitimou Any Leiros Sarmento da Silva foi palco de pelo menos 11 mortes nos últimos dez anos

 

Uma mulher de 31 anos morreu após ser atropelada por um motorista embriagado na madrugada desta quarta-feira (15) em Ceilândia. Any Leiros Sarmento da Silva foi atingida por um gol prata. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestou atendimento, mas a vítima não resistiu aos ferimentos. O homem foi preso.

O acidente aconteceu na avenida P1 do Setor P Sul, próximo a quadra QNP 18, por volta das 5h. Segundo testemunhas, o condutor do veículo, identificado pelos socorristas como Sérgio de Sousa, teria sido visto dirigindo acima da velocidade de 60 km/h permitido para o local pouco antes do atropelamento.

A 23ª Delegacia de Polícia investiga o caso. Segundo o boletim de ocorrência, a Polícia Militar informou que Sérgio de Sousa “apresentava visíveis sinais de embriaguez”, mas recusou-se a fazer o teste do bafômetro. O homem foi preso e autuado em flagrante pelo crime de embriaguez ao volante e atropelamento de pedestre.

Dados do Departamento de Trânsito (Detran) indicam que a avenida que vitimou Any foi palco de pelo menos 11 mortes nos últimos dez anos. Até outubro, um outro óbito havia sido registrado ali. Neste ano, 64 pedestres foram vítimas do trânsito no Distrito Federal.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA