Assessor parlamentar não paga conta de motel e vai parar na delegacia

0
87

O assessor parlamentar estava acompanhado de outras três pessoas e fez ameaças aos policiais. Ele tem outras passagens por infração semelhante

A confusão aconteceu em um estabelecimento às margens da BR-040(foto: Antonio Cunha)

Uma festa em um motel acabou na delegacia, na noite de quinta-feira (9/8). Segundo a Polícia Militar (PMDF), a corporação foi acionada por volta das 21h pelo gerente do estabelecimento após dois homens e duas mulheres, que estavam no mesmo quarto, não pagarem a conta. Um deles se apresentou como assessor parlamentar.

 

De acordo com o boletim de ocorrência, os quatro chegaram ao estabelecimento, que fica às margens da BR-020, na região do Colorado, por volta das 7h. Cerca de 12 horas mais tarde, quando a conta chegava aos R$ 1.450, o gerente do estabelecimento solicitou que o grupo fizesse um pagamento parcial para poder continuar no quarto. O grupo, porém, recusou o acordo.

Preocupado em tomar calote, o gerente acionou a polícia. Policiais militares, então, entraram na suíte para resolver a situação e um dos homens, que se apresentou como assessor parlamentar, assumiu a conversa. Com sinais de embriaguez, ele mostrou documentos que comprovavam a ocupação e disse que se recusava a fazer qualquer tipo de pagamento parcial ou desocupar a suíte, pois não havia pedido a conta.

 

Segundo a polícia, o homem fez ameaças, se disse influente e gabou-se de ganhar mais de R$ 10 mil mensais. Como não houve o acordo, o assessor parlamentar e as duas mulheres foram levados para 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho). O outro homem acertou sua parte da conta e foi liberado.

Não foi a primeira vez

Na DP, foi constatado que o assessor tem um longo histórico de passagens por não pagar contas em motéis. Na última ocorrência registrada, o prejuízo do estabelecimento foi de R$ 6 mil. Ainda assim, ele assinou mais um termo circunstanciado e foi liberado. O nome do assessor e dos outros envolvidos não foi divulgado pela Polícia Militar.

Embora o cliente tenha um passado de devedor de motéis, de acordo com o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF), nessas circunstâncias, o estabelecimento não podia solicitar o pagamento parcial. A medida pode ser considerada abusiva. Ainda segundo o presidente do Instituto brasileiro de direito do Consumidor (Brasilcon), Diógenes, Carvalho, para cobrar do cliente o valor parcial da conta, o estabelecimento deveria ter avisado o cliente do procedimento. O contrário disso, é ilegal. “Principalmente porque no início da contratação o consumidor não foi previamente informado da cobrança”, comentou.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA