Caso suspeito de febre amarela dispara alerta no DF

0
37
Homem que contraiu febre amarela está internado no Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul. Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

 

A suspeita de que um morador do Sudoeste esteja internado por complicações da febre amarela reacende receio da Secretaria de Saúde e da população sobre os perigos da doença. O homem, que não teve a identidade divulgada, é um psicólogo de 43 anos que está internado no hospital Santa Lúcia, na Asa Sul, com provável morte cerebral – até a noite desse domingo (26), a equipe médica ainda averiguava a situação.

PUBLICIDADE

Em nota, a Secretaria de Saúde divulgou que o homem está na Unidade de Terapia Intenisva (UTI) em estado gravíssimo. A suspeita de febre amarela foi constatada após exames laboratoriais. Porém, um segundo procedimento teve resultado inconclusivo para a doença. Assim, a avaliação clínica continua. Hoje, um novo teste deve ser feito e a previsão é de que o resultado saia até a próxima sexta.

O homem que está internado, segundo a pasta, teria circulado pela área rural do Jardim Botânico. Ele teria se vacinado há quase 20 anos. A doença ataca em especial o fígado, causando falhas que deixam a pele e olhos com tonalidade amarelada.

Se confirmada a presença do vírus do gênero Flavivírus, causador da febre amarela e transmitido por picada de mosquito, esse pode ser o segundo caso de morte pela doença neste ano no DF. A primeira foi em janeiro. Um mineiro de 40 anos morreu após ficar internado por alguns dias em unidades de saúde da capital. Esse foi o primeiro óbito confirmado no DF desde 2009.

Vacinação

Seguindo protocolos do Ministério da Saúde, o governo local começou uma força-tarefa na região onde o homem morava e nos locais por onde ele teria passado nos últimos dias. No sábado, 63 pessoas foram imunizadas contra febre amarela na Quadra 301 do Sudoeste. A Vigilância Ambiental também começou a trabalhar para erradicar possíveis focos de mosquitos em outros locais além do Sudoeste que teriam recebido a visita da vítima. São eles o Setor Hospitalar e Jardim Botânico.

No sábado, o carro que faz a pulverização de combate aos mosquitos – o fumacê – circulou nas quadras 301, 307, 101 e 107 do sudoeste. Hoje, esse procedimento deve ser repetido. Os sete prédios existentes na Quadra 301 serão inspecionados para identificação e eliminação de focos do mosquito. Os demais setores onde o homem esteve também passarão por essas ações.

Sintomas iniciais de gripe comum

De acordo com informações do Ministério da Saúde (MS), a febre amarela é uma doença infecciosa aguda, de curta duração, gravidade variável e que ocorre na América do Sul e na África. A transmissão se dá quando a pessoa é picada pelo mosquito infectado. Não existe perigo de uma pessoa passar a doença para outra.

Os sintomas iniciais são os de uma gripe comum: febre, dor de cabeça, náuseas, vômitos e dores pelo corpo. Em um segundo momento as situações mais graves aparecem, como tom amarelado nos olhos e na pele, além de hemorragia. Para o infectologista do Hospital Santa Lúcia Werciley Júnior, é muito difícil identificar um quadro inicial.

“O tempo de piora muda de pessoa para pessoa, mas, em geral, a evolução ocorre no quarto ou quinto dia. Se a melhora não vir, é preciso procurar um médico”, alerta o infectologista.

“O maior cuidado que se deve tomar é a vacinação. Uma vez vacinado, é para a vida inteira. Cerca de 95% das pessoas não apresentam a doença depois de apenas uma dose”, complementa.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA